Estudo randomizado e divulgado pelo CISA revela efeito do exercício aeróbico na dependência do álcool

19/06/2014

Estudo divulgado pelo Centro de Informações sobre Saúde e Álcool – CISA, organização não governamental que se destaca como uma das principais fontes no país, revela benefícios na prática de exercícios moderados no tratamento de reabilitação de pacientes com dependência do álcool. Os tratamentos atuais para a dependência do álcool demonstram eficácia, mas episódios de recaída ainda são um grave problema, sobretudo no primeiro ano de tratamento – até 90% dos pacientes apresentam algum tipo de recaída.

A pratica de exercícios físicos já era vista como uma boa prática na melhora da qualidade de vida em geral, contudo evidências científicas sobre seu benefício são mais recentes. Nesse sentido, novas estratégias que colaborem com o tratamento dos transtornos relacionados ao álcool são buscadas, e a prática de exercícios físicos se mostra impactante nas adaptações do estilo de vida e na prevenção de recaídas. Os exercícios físicos apresentam efeito benéfico ainda no tratamento de sintomas de depressão e ansiedade, que  comumente prejudicam o tratamento da dependência de substâncias. Além disso, vantagens que podem ser consideradas são: a prática é flexível, acessível e apresenta baixo custo, podendo ser realizada individualmente, com efeitos colaterais e riscos menores em relação ao uso de medicamentos.

Após uma seleção criteriosa, 48 indivíduos dependentes de álcool e sedentários* foram separados aleatoriamente em dois grupos: 25 pacientes que receberam 12 semanas de intervenção com exercício aeróbico em intensidade moderada e 23 pacientes que receberam  apenas aconselhamento breve sobre atividades físicas de intensidade moderada. Vale ressaltar que os grupos selecionados foram equivalentes em idade, gênero, etnia, escolaridade, estado civil, ocupação e padrão prévio do uso de álcool.

No grupo de intervenção com exercício, as sessões foram semanais, com exercícios em esteira, bicicleta ergométrica ou máquina elíptica, com aumento gradual de duração (20 a 40 minutos na 12ª semana). Todos foram estimulados a realizar mais duas ou três sessões por semana de atividades físicas individualmente. O outro grupo apenas recebeu informações sobre os efeitos benéficos do exercício no tratamento e na saúde e foram estimulados a fazê-los sozinhos, também podendo ser instruídos sobre tipo, intensidade e duração das atividades.

Os resultados apontam para uma redução maior e significativa da ingestão de bebidas alcoólicas e do beber pesado** no grupo que recebeu a intervenção com exercício aeróbico em intensidade moderada, quando comparado ao outro grupo.

Após as 12 semanas de intervenção, os indivíduos foram novamente avaliados, e a quantidade de consumo permaneceu menor no grupo intervenção. Entretanto, inesperadamente, apresentaram o padrão de beber pesado com mais frequência que o outro grupo, e o estudo sugere que mais pesquisas, com amostras maiores, precisam ser realizados para esclarecer este resultado.

Percebeu-se, ainda, que o grupo que recebeu apenas o aconselhamento também realizou atividades físicas, mas o condicionamento foi melhor nos participantes do grupo que recebeu a intervenção. Os resultados indicam que a prática regular de exercício aeróbio moderado é um complemento eficaz no tratamento do transtorno relacionado ao uso de álcool e, portanto, deve ser estimulada.

*Considerou-se sedentário quem praticou menos de 60 minutos de atividades físicas por semana nos últimos 6 meses. Os participantes estavam em tratamento para o uso de álcool e abstinentes por pelo menos 90 dias.

** Uso pesado definido como 5 doses por dia para homens e 4 para mulheres.

Título: A preliminary, randomized trial of aerobic exercise for alcohol dependence.

Autores: Brown RA, Abrantes AM, Minami H, Read JP, Marcus BH, Jakicic JM, Strong DR, Dubreuil ME, Gordon AA, Ramsey SE, Kahler CW and Stuart GL.

Fonte: J. Subst Abuse Treat., 2014.

Fonte: Segs